A primeira edição da maratona de inovação e empreendedorismo curricularizada na FAHOR, uma ação inédita no segmento, teve sua banca com apresentação de pitches e protótipos na noite de quarta-feira, 8 de julho. 

As metodologias ativas  tornam o processo de aprendizagem mais focado na preparação de estudantes para os desafios do novo mundo que está se formando e foi pensando nisso que a FAHOR transformou o hackathon em prática curricular. Ou seja, todos os estudantes vão passar pela disciplina de Gestão Empreendedora que concentra, além dos conceitos, a aplicação deles em soluções inovadoras para a sociedade como um todo.

A maratona de inovação e empreendedorismo curricularizada foi realizada em 10 semanas, e nesse tempo os estudantes participaram de oficinas de ideiação, canvas, design thinking, viabilidade econômica, financeira e mercadológica, prototipagem, e em meio a estas, também tiveram o auxílio de profissionais e professores de diferentes áreas do conhecimento que auxiliaram e foram mentores das equipes.   

O desafio teve como problema “Novos negócios no mundo pós-pandemia", com objetivo de gerar novos negócios, produtos e serviços focados nas novas necessidades que surgiram na pandemia do COVID-19.

Neste semestre formaram-se sete equipes que apresentaram suas propostas para a Banca, composta pelo empresário e conselheiro do Horizonte  Ambiente Empreendedor,  Claudiomiro Rex, CEO da Tecnicon (empresa âncora do HAE) bem como da Energy4All (startup incubada); pelo empresário Eduardo Kommers, da Rosso Trading, sócio da Ame Cosméticos (empresa incubada no HAE) e diretor executivo da Fundação Capacitar; da empresária Mônica Stormowski, representando a Jaeli Móveis que também é parceira do Núcleo de Apoio Empresarial da FAHOR e do professor e coordenador do Horizonte Ambiente Empreendedor, Dr. Fauzi Shubeita, que também é empresário e atua no setor de tecnologia.

As melhores propostas ficaram com a equipe Alkingeu, que desenvolveu um aplicador de álcool acionado por sensores e a Equipe Idealização, que elaborou um aplicativo voltado a intermediar a relação comercial entre produtores de hortigranjeiros e os consumidores. A MCW Soluções apresentou a produção e instalação de painéis elétricos de distribuição e de máquinas e equipamentos. As duas primeiras receberam como prêmio, uma incubação junto ao Horizonte Ambiente Empreendedor.

Para a estudante Eduarda Carvalho, a experiência desta primeira edição do Hackathon Curricular foi diferenciada. “É uma atividade que não se espera de qualquer faculdade ou universidade. Foi importante ter estes conhecimentos sobre fazer um projeto, criar um produto, trabalhar com os prazos e ter contato com vários profissionais que nos auxiliaram”, afirmou.