Em sete dias, os casos envolvendo águas-vivas aumentaram 348% em praias do Sul do estado. As altas temperaturas e, consequentemente, a água do mar mais quente favorecem o aparecimento desse tipo de animal marinho, de acordo com o Corpo de Bombeiros.

 

Na semana entre 4 e 10 de janeiro, foram registradas 857 queimaduras de águas-vivas. Isso só nas praias entre Balneário Rincão e Passo de Torres. Na semana anterior a essa, foram 191 casos.

 

O Corpo de Bombeiros disse que a alta no número de ocorrências está relacionada com a temperatura da água do mar.

 

Guarda-vida atende pessoa queimada por água-viva em praia de SC — Foto: Reprodução/NSC TV

Guarda-vida atende pessoa queimada por água-viva em praia de SC — Foto: Reprodução/NSC TV

“Nós acreditamos que esse aumento de fluxo de turistas, de pessoas vindo à praia, com a temperatura da água mais agradável e o mar também estava mais baixo, acredito que isso aí possibilitou que tivesse mais contato dos humanos, dos nossos turistas, banhistas, com essas águas-vivas", explicou o comandante do 4º Batalhão de Bombeiros Militares, Luiz Felipe Lemos.

 

Dependendo da pessoa, a irritação na pele ou a dor podem durar de 12 a 24 horas. Em alguns casos, é preciso até procurar atendimento médico.

 

“Você pode perceber quando você entrou em contato com o animal, com uma água-viva destas, quando você observa uma vermelhidão na sua pele, bolhas, um certo mal-estar, até mesmo vômito, que podem ser sintomas ocasionados por este acidente”, orientou o biólogo Rodrigo Mendonça.

 

Orientações

 

A dica para o banhista se proteger é olhar para os postos de guarda-vidas. Se lá houver uma bandeira lilás, significa que naquele local teve lesão provocada por água-viva.

 

Se for queimado pelo animal, a orientação é que a pessoa procure imediatamente o posto de guarda-vidas mais próximo. “Aqui ela vai receber o tratamento adequado para evitar que aquela toxina continue aumentando a ardência no corpo. Vai neutralizar com o uso de vinagre. E, ainda, percebendo que a ardência permaneceu, aí a gente sugere que a pessoa se desloque ao hospital", disse o comandante.

 

FONTE: g1.globo.com