Há séculos se tem uma grande procura e preocupação pela manutenção da beleza. Em geral as mulheres são mais vulneráveis aos padrões veiculados através da mídia para um corpo perfeito, em que muitas vezes recorrem a dietas rigorosas, exercícios físicos extremos e também a automedicação. Isso tudo para a garantia de um padrão de beleza físico, o qual é veiculado pela mídia, como uma forma do indivíduo ser aceito socialmente.

 

Na automedicação, muitas mulheres, assim como homens, buscando de qualquer forma atingir esses padrões de beleza, acabam fazendo uso de forma abusiva de moderadores de apetite, termogênicos, diuréticos, laxantes, sem se preocuparem com o risco de utilização dos mesmos, sendo realizados sem a supervisão de um profissional competente. O que acabam se sujeitando aos seus efeitos colaterais e perigos do uso destes.

 

Por meio de apelos comerciais, diversos produtos e medicamentos que prometem o emagrecimento são comercializados de forma livre. A mídia, visando aumentar o consumo, usa emagrecedores naturais, os quais são mais procurados em farmácias e casas de produtos naturais.

 

Por serem produtos naturais, muitas vezes são considerados como seguros, mas as toxicidades dessas plantas medicinais sejam em forma de medicamento ou planta podem trazer sérios e diversos problemas de saúde ao indivíduo. Podem ocorrer desde alterações metabólicas, como problemas cardiovasculares e também no sistema nervoso central.

 

Claro que muitas vezes o individuo consegue bons resultados, mas na maioria dos casos os efeitos colaterais são maiores que os benefícios. Entre um dos efeitos colaterais é quando se deixa de fazer uso dos mesmos, há novamente o ganho de peso, as vezes excedendo ao perdido.

 

Por isso, o uso desses fitoterápicos que visam a perda de peso, deve ser realizada de forma adequada, com a orientação de um profissional, para que se evite problemas de saúde, assim como a ineficácia, bem como reações adversas graves. O mesmo cuidado que é tido com outros medicamentos, devendo também ser realizados com esses fitoterápicos.

 

O uso de termogênicos, visando acelerar o metabolismo e a perda de peso, quando realizados de forma inadequada e sem a orientação profissional, podem causar efeitos adversos como: dores de cabeça, sudorese, insônia, ansiedade, tonturas, náuseas, agitação, sede, tremores, vômitos, entre outros.

 

Os inibidores de apetite podem causar dependência, pelas substâncias presentes, sendo utilizados de forma descontrolada por alguns indivíduos. Apresentando síndrome de abstinência, a pessoa dependente pode pressionar o médico a receitar mais remédios. Podendo causar complicações psiquiátricas sérias, transitórias e até mesmo permanentes. Os sintomas causados por esses medicamentos, principalmente as anfetaminas, são: hiperfagia, hipersônia e depressão. Podendo levar, no caso de dependência, a pessoa até a cometer suicídio, se não forem vigiados.

 

O tratamento com medicamentos para a perda de peso somente é indicada quando o indivíduo possui índice de massa corporal (IMC) superior a 30 kg/m² ou quando possuir doenças associados ao peso excessivo, com IMC superior a 25 kg/m². Isso quando o tratamento com dieta, exercício físico e mudança de hábitos não foram bem sucedidos.

 

O uso de medicamentos, tanto inibidores de apetite como termogênicos por si só não levam a cura da obesidade. O melhor e eficaz tratamento ainda é a reeducação alimentar associadas a prática de atividade física. Mas no insucesso, o uso do tratamento farmacológico deve ser considerado. Sendo mantido o tratamento quando considerado seguro e efetivo para o indivíduo.

 

Há relatos de pessoas que consumiram de forma desenfreada inibidores de apetite ou termogênicos que levaram elas a morte! Então Consulte o médico e o nutricionista para auxiliar no tratamento e para promover uma vida mais saudável e duradoura! Não existe fórmula mágica, somente ter paciência e dedicação na mudança de hábitos.

 

 

FONTE:

COSTA, Nelaine Macedo; et al. Suplementos Alimentares Para O Emagrecimento: Eficácia Questionável. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo. v. 6. n. 31. p. 25-32, 2012.

COTA, Ana Paula; MOURA, Gilliárdia Ferreira de; GOMES, Everton Teixeira. Uso De Medicamentos Inibidores Do Apetite A Curto Prazo: Um Estudo Descritivo Das Discentes Do Curso De Enfermagem Do Centro Universitário Do Leste De Minas Gerais - Unileste-MG. Revista Enfermagem Integrada, V.1-N.1, p. 49-59, 2008.

DUTRA, Josileyde Ribeiro; SOUZA, Sonia Maria da Fonseca;  PEIXOTO, Marina Chiesa. A Influência Dos Padrões De Beleza Veiculados Pela Mídia, Como Fator Decisório Na Automedicação Com Moderadores De Apetite Por Mulheres No Município De Miracema-RJ. Revista Transformar, 7ª edição, p. 194-213, 2015.

MELO, Cristiane Magalhães de; OLIVEIRA, Djenane Ramalho de. O uso de inibidores de apetite por mulheres: um olhar a partir da perspectiva de gênero. Ciência & Saúde Coletiva, 16(5):2523-2532, 2011.

OLIVEIRA, Amanda Batista de; MAPURUNGA, João Nogueira; MELO, Matias Carvalho Aguiar. Consumo de suplementos termogênicos e seus efeitos adversos por clientes de uma loja de Nutrição Esportiva de Fortaleza-CE.  Revista Brasileira de Nutriçao Esportiva, ISSN-e 1981-9927, Vol. 11, Nº. 62, págs. 160-167, 2017.

ROCHA, J., FERNANDES, E. e GARCIA, A. Avaliação Do Consumo De Anorexígenos Derivados De Anfetamina Em Cidades De Goiás. Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrários e da Saúde. 16 (3): 9-19, 2012. 

SILVA, Luciana Fernandes Oliveira da; SILVA, Francinie Valeska Mendes da; OYAMA, Silvia Maria Ribeiro. Prevalência do uso de medicamentos para emagrecer entre universitárias.  v. 3, n. 7, 2013.