Sou fã incondicional da tecnologia e das redes sociais, porém tudo na vida em excesso está fazendo muito mal, não podemos nos deixar levar pelo domínio da telinha, ainda somos racionais e a vida existia também antes do uso do celular.

 

O adestramento tecnológico tem levado as últimas gerações a um cabresto tecnológico incomparável a qualquer outra forma de domínio usada nas piores bases do Império Romano, com uma diferença que hoje não tem o martírio como forma de domínio, o controle é sem dor, feito totalmente das mentes de quem não sabe fazer uso deste extraordinário aparelho de comunicação, inibindo e bloqueando a possibilidade de pensar, de ler um livro, de refletir, de olhar o futuro.

 

A visão de futuro das últimas gerações se resume em um curto espaço de tempo, que mal consegue ser de um ano, e os bloqueios de pensar são tão extraordinários que gira em cima do próprio eixo tecnológico, onde muitos disputam o mesmo espaço para comer a mesma caça sem conseguir perceber e visualizar o mundo a sua volta e o futuro que o espera.

 

O poder criativo da tecnologia do celular, leva as gerações a se fixarem no espelho da própria imagem, como são chamados os que usam excessivamente o celular, estão alienados pelos programas e jogos envolventes, aplicativos e grupos que tomam quase que 70% do tempo das horas vivas do dia e muitos quase não dormem à noite.

 

Segundo um estudo da faculdade de Medicina de Harvard, publicado na revista Nature, a luz azul emitida por aparelhos celulares ativa os neurônios e perturba o sono e tira o poder de visão a longo prazo. Além disso, tem o próprio fator comportamental que deixa nas pessoas a sensação de estarem sempre ligadas e disponíveis, isto é, têm que estar olhando o aparelho mesmo no meio da noite, com a falsa sensação que perdeu algo se não olhar, características não compatíveis com o sono normal e tranquilo.

 

Nunca se olhou tanto para baixo. Na fila, no parque, na escola, no trabalho, na igreja, no ônibus e, perigosamente, no trânsito, as pessoas parecem só ter um interesse: a tela do celular a ponto de perderem grande parte da visão e de curtir as pessoas na sua volta e as maravilhas da natureza.

 

Com isso, estamos de olho no celular e ficando cegos para o futuro.

 

Até a próxima!