Além de ser um ano para ser esquecido, resolvi também diminuir este ano da minha idade, vou ficar um ano mais novo, virar esta página e remoçar para um novo futuro brilhante, e muito mais próspero do que foi 2020, um ano para ser esquecido e não somar na idade e muito menos contar para as novas gerações que virão que tudo isso aconteceu em 2020.

 

Por mais que alguns se beneficiaram com os problemas que ainda estão ocorrendo neste ano, a maciça maioria sofreu verticalmente com os reflexos desta praga chamada Covid-19. Além desta pandemia, ainda tivemos as nuvens de gafanhotos, demissões, diminuição de salários, empresas fechando, separações de casais, e muito mais. Tudo isso citado foi assustadoramente aumentado neste maldito ano, sem falar das metas programadas para 2020, que são poucos os que seguiram concluir ou até aumentar. Não está sendo nada fácil para os empresários e muito menos para os seus colaboradores, pois nem o mais pessimista de todos conseguiria prever um cenário tão desafiador.

 

Estivemos afastados de nossas rotinas de trabalho com o tal de fique em casa, não veja teus filhos, teus netos, fomos proibidos do contato social com familiares e amigos, presos entre as quatro paredes de nossos lares, nunca a realidade virtual conseguiu nos testar assim tão fortes, enquanto seres humanos do mundo. A realidade virtual, segundo a revista Absolut, não é a realidade para os sensoriais humanos. Ela é apenas mais uma ilusão que atenua, mas não nos livra da experiência coletiva de solidão, de alijamento, de introspecção e de autoconhecimento. Nós estamos, de fato, fazendo um jogo da verdade com apenas um participante que é o espelho da alma.

 

A vontade que dá mesmo é de sentar-se, esperar e colocar nossos objetivos em prática apenas quando as incertezas tiverem passado e a vida voltar mais próxima do que era antes da pandemia, e isso quer dizer somente depois que o mundo inteiro estiver vacinado, sete bilhões de pessoas.

 

Queridos leitores, o ano de 2021 já está dando seus sinais, faltam praticamente três meses e meio, e com a graça de Deus deverá trazer a alegria, o prazer de tocar e ser tocado, de abraçar e ser abraçado, de recuperar as finanças e o emprego. Que venha a bonança que o malfadado ano de 2020 nos tirou impiedosamente. Por isso eu não vou contar o ano de 2020 na minha idade!

 

Até a próxima!